... finda a bonança, e chegada a tempestade que cercava, o que resta é abandonar as armas
e retomar a luta ...

terça-feira, 19 de julho de 2011

::: peu :::

...ele tem todas as luzes nos olhos,
e o sorriso maior que existe.
as cores guardadas nos sonhos.
e o sol bem dentro do peito...
peu

6 comentários:

Mauro Tyba disse...

Descativada da métrica e da rima, à clássico dos clássicos,
Paula Quinaud orbita amores seus, únicos, gênese de si mesma. Verseja lirismos libertadores à Bandeira. Atinge docemente almas. Ela, livre; vós, nós, prisioneiros dela. Vive a poeta, reaviva o talento, viva a tecnologia! Paixões nascem, morrem, renascem. Fantasiosas, ambiciosas, desproibidas.

Celso Mendes disse...

Que delícia de corujice, não? rs

lindos (poema e "muso")

abraços.

Ana Pérola Pacheco disse...

a fotografia já é o poema inteiro.

Paula Quinaud disse...

Mauro,
um comentário desses eu tenho que publicar no blog como poema!!!
e na orelha do meu livro!
que lindas as suas palavras!
muito obrigada pela visita e pelo carinho.
um beijo grande!!!

Paula Quinaud disse...

mas tenho mottivos né Celso!
Fico muito feliz com a sua vista!
bjs

Paula Quinaud disse...

Ana Pérola,
não podia ter definido melhor!!!
mas eu sou suspeitíssima, né!
rsrs
fico feliz com a sua visita!
bjs